É possível produzir conteúdo para internet com pouco tempo disponível?

Perguntinha preocupada: Quem tem pouco tempo sobrando consegue criar conteúdo para internet?

Resposta muito sincera: Depende do tipo de consciência que você tem hoje. Nossa forma de pensar tem um impacto maior nesta questão do que o tempo. Então, talvez SIM, talvez NÃO!

Mas, o que quer dizer com CONSCIÊNCIA?

O tempo é uma questão concreta e precisamos de um pouco dele para poder realizar algo. Mas, a quantidade de tempo necessária  pode ser enormemente reduzida se nos relacionarmos melhor com as coisas que nos interessam.

A maioria de nós “quebra” o tempo e as atividades:

  • Estou em casa;
  • Agora, vou  atender;
  • Agora, estou na frente do computador;
  • Agora, vou escrevendo um relatório;
  • Agora, estou estudando…

Então, parece que precisamos liberar um espaço na agenda para produzir coisas na internet. Mas isso não é totalmente real e nem eficiente.

A parte mais difícil na produção é escolher o que fazer e como fazer. Porque isso exige bastante criatividade. Pessoas sem tempo geralmente ficam mentalmente cansadas para produzir criativamente.

Mas, podemos olhar a questão de uma forma mais profunda e vamos descobrir que, neste caso, mais tempo não é a solução.

Indo direto ao ponto, não deveríamos dissociar a produção de conteúdo das outras atividades! 

Não quero dizer que você deva escrever scripts, roteiros ou textos, enquanto esta atendendo ou descansando. Mas, é nestes momentos, que você encontrará os elementos criativos necessários para produzir.

O que produzir?

Clientes nos dão histórias, problemas, dores, sonhos e muita coisa que pode ser levada para a internet.

Mas, para que aproveitemos o que a própria rotina nos oferece, precisamos ter consciência de que “é na vida que vamos conseguir os elementos criativos e os assuntos de interesse” que valem a pena ser explorados online.

Com esta consciência, o habito de anotar alguns assuntos, registrar ideias durante a rotina diária, surpreendentemente poupa um enorme tempo e energia.

Eu já ouvi muitas Psi´s dizendo: Cadu, eu quero escrever, mas quando sento para escrever…  Simplesmente não sei mais o que fazer.

Na verdade, isso é muito comum. Os conteúdos não saem no momento que sentamos, porque conteúdos são coisas que acontecem na vida. Por isso, precisamos registrá-los quando temos indícios deles.

A criatividade não combina com a artificialidade. Mas, se registramos as coisas que nos interessam, então conseguimos recuperar ideias e produzir conteúdos de forma muito mais simples.

Uma forma de entender isso é lembrar que grandes poemas, musicas e histórias da literatura foram esboçadas em mesas de bar, em restaurantes e até dentro do banheiro.

Aliás, fica a dica: “Boa parte das pessoas que não “escreve bem”, na verdade sofre de uma condição que eu chamo de “robotização criativa”. Elas tentam encaixar a criatividade natural em um modelo rígido de escrita. É preciso LIBERDADE para escrever bem.”

Aí surge uma questão…

Este texto que você esta lendo agora é bom?

Precisamos repensar esta questão. Afinal, qual o objetivo deste texto? Será que conviria escrever um texto cientifico da mesma forma?

Se meu objetivo foi ajudar você a chegar até este ponto da leitura e gerar reflexão, provavelmente o texto é bom. Mas, para outros objetivos ele precisaria de uma série de mudanças.

Neste caso, já estamos falando de “como fazer” que é outra questão que demanda bastante tempo e energia se não for bem pensada e trabalhada em nossa rotina.

Mas, vamos falar disso em outro texto, porque este daqui já esta gigante, não é?

Me diz agora nos comentários… Você já tinha pensado nas coisas usando este angulo?

Abraços,

 

 

Comente Aqui:

comments

Cadu Borbolla

“Co-Fundador do Instituto PsicoEducação, Publicitário, Palestrante e Consultor de Marketing e Marketing Digital, atuou como terapeuta por mais de 10 anos com certificação internacional e extensão universitária em hipnose, além de formação em terapia cógnito comportamental. Apaixonado por Psicologia e Desenvolvimento Humano, é graduando em Psicologia.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *