Nichos para Evitar: Você conhece?

Muito se tem falado sobre Nicho, Avatar e coisas do gênero. Mas ninguém no mundo Psi explicou que existem nichos que devemos evitar a todo custo. Você sabe quais são?

Existem 3 bases para escolher um nicho:

Base 1: Coração;
Base 2: Conhecimento;
Base 3: Experiência.

São estes 3 elementos juntos que vão indicar o melhor nicho para sua atuação.

Cada um destes aspectos exige uma avaliação e auto avaliação detalhada. Eu arriscaria dizer que se uma destas 3 bases for muito fraca ela enfraquecerá as outras.

Então, se você não domina o conhecimento necessário em relação ao Nicho, provavelmente não tem experiência; Se você não tem experiência, provavelmente (com algumas exceções) você também não tem conhecimento;
E, se você não tem experiência e não tem conhecimento, você não teve interesse ainda ou não sabe exatamente se o seu coração esta ali, apesar de imaginar.

Mas, a ausência ou fraqueza destas bases podem ser supridas com pesquisa, interesse e busca sincera.

Contudo, não atoa, o coração representa a única base que não pode ser fraca.

Quando falo coração, estou falando da capacidade de ter empatia por um perfil de pessoa.

Se não nos identificamos empaticamente com nosso cliente e suas dificuldades é simplesmente impossível nos sustentarmos em uma ação continua de desenvolvimento.

Identificar empaticamente não é gostar de um assunto simplesmente.

O gostar, do nicho, tem muito mais relação com o tipo de pessoa que queremos atuar do que com os problemas que vamos enfrentar.

É claro que pessoas tem seus problemas e desafios, mas gostar do problema não será suficiente e um problema não cria um nicho de atuação.

Quero dizer:  você pode achar a drogadicção muito interessante e que seria muito prazeroso participar da assistência de uma pessoa com esta problemática. Mas o nicho não é a drogadicção, mas sim um grupo de pessoas que vive esta situação. A drogadicção seria uma característica comum para um determinado publico e se você não se sente bem com este público, ao menos inicialmente a coisa não fluí.

Um exemplo simples: Você ama crianças, e as crianças tem suas situações, certo? Mas, é importante saber que seu nicho é composto por mãe e criança (além de suas características). Logo, gostar de crianças sem ter empatia por mães, torna as ações mais dificeis e desgastantes.

A experiência com diversas Psi´s me mostrou que conseguir ter empatia e gostar do público para quem nos dirigimos, acreditar que realmente podemos gerar valor, é o grande alicerce para atuação bem sucedida das Psís na web.

Então, existem nichos que precisamos evitar. Todos aqueles que não sintamos empatia, ou gerem sentimentos ruins e desconforto em nós. Não é viável pensar que apenas o dinheiro pode ser levado em conta.

Evite atuar com coisas que você não tem ligação!

Se te falta conhecimento, busque, é essencial;
Se te falta experiência, você deve adquirir, isso fará diferença;
Mas se te falta coração, repense, porque você vai perder muita energia nisso.

Abraços

 

Obs: Tenho notado que a maioria das psi´s não entende o que é Nicho. As informações  veiculas ultimamente são obscuras. Por isso gosto de lembrar que Marketing é uma Ciência e as vezes as pessoas reproduzem coisas do senso comum e não a ciência (por isso tanta psi desinformada). Nicho é um grupo pequeno de pessoas selecionadas por seu perfil. (PEGORARO, 2016) Então, se alguém (por aí) te disse que Nicho é um problema, uma situação, alguma coisa que você pode resolver, este conceito precisa ser lapidado para ser bem utilizado, mesmo que você não se torne marketóloga entender algumas coisas básicas vai te ajudar a atuar bem
Referências:

DE ALMEIDA, Lucas Rodrigo Santos et al. Estudo Literário sobre a Segmentação de Mercado como Ferramenta Estratégica de Marketing.Revista de Ciências Gerenciais, v. 20, n. 31, p. 17-24, 2016. http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/rcger/article/view/3876

NUNES, Francilene Camelo. Estudo de caso: canal Avon Brasil no Youtube, divulgação da marca, conhecimento e conquista do consumidor, 2011-2012. 2016. http://repositorio.uniceub.br/handle/235/8082

PEGORARO, Ana Paula Borges Bruna et al. PROCESSO DE SELEÇÃO DO MERCADO ALVO E COMPOSTO DE MARKETING. Maiêutica-Estudos Contemporâneos em Gestão Organizacional, v. 4, n. 1, 2016. https://publicacao.uniasselvi.com.br/index.php/GESTAO_EaD/article/view/1605

 

 

 

Comente Aqui:

comments

Cadu Borbolla

“Co-Fundador do Instituto PsicoEducação, Publicitário, Palestrante e Consultor de Marketing e Marketing Digital, atuou como terapeuta por mais de 10 anos com certificação internacional e extensão universitária em hipnose, além de formação em terapia cógnito comportamental. Apaixonado por Psicologia e Desenvolvimento Humano, é graduando em Psicologia.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *