O que percebi tomando café no Shopping, sobre Marketing Digital?

Muitas vezes já me perguntaram qual a melhor prática para se destacar na multidão de informações que temos na internet.

Confesso que transportar alguns conhecimentos do campo do Marketing e Publicidade para a realidade das Psi´s não é algo fácil. Porque, assim como na psicologia estamos recheados de termos técnicos que se confundem no senso comum, na área do marketing e da publicidade ocorre o mesmo.

Você sabia por exemplo que chamar um profissional de Marketeiro é quase uma ofensa para muitos marketólogos?

Pois é…

Bom, deixa pra lá…

Uns dias atras, eu fui no Shopping Center Três, na Av Paulista com minha esposa.

Era um domingo, destes onde a Av. Paulista fica fechada e decidimos tomar um café no StarBucks.

Foi ali que eu consegui “sacar” uma forma simples de falar de algo complexo e que todas as Psi´s tem interesse.

Num mar de informações, como se destacar? Como fazer alguém ler, ouvir ou assistir seu conteúdo?

No shopping temos um cenário complicado, são centenas de pessoas circulando, e basicamente elas estão no mundo com todas as outras, mas mergulhadas em sua realidade pessoal e alienadas de muita coisa.

Depois do café, minha esposa foi ao banheiro e eu fiquei ali observando o vaivém de pessoas. Aliás, este shopping aqui de São paulo tem uma riqueza de pessoas e estilos incrível.

E, nesta coisa de “prestar atenção”, notei uma cena curiosa:

Um rapaz de camisa vermelha no meio da multidão, deu um grito. Ele estava chamando um outro rapaz bem lá na frente, que também estava com uma camisa vermelha.

E, tudo bem, eles se encontraram e eu continuei observando as pessoas. De repente, uma senhora com um cachorrinho parou na minha frente e brincou com o cachorro de uma outra moça que também passeava.

E, tudo bem, ela fez carinho no cachorrinho e eu continuei observando as pessoas. De repente, uma criança saiu correndo desgarrada da mãe e foi até uma almofada toda colorida (na feirinha de artesanato) e pegou aquilo na mão.

E, tudo bem. Fui olhando várias cenas onde alguém saia do seu próprio mundo para ter contato com algo externo.

Foi então que me toquei de uma palavra simples ESPELHO.

Espelho sintetiza e explica vários elementos técnicos da história.

Todas, gostam de parar “diante de espelhos”.

Sejam espelhos do que sonham, temem ou sentem. Espelhos!

Eu fiquei pensando, é tão simples! é tão bobo! Mas é exatamente o que destaca algo da multidão.

Não é, com certeza, um determinante para uma interação longa.

Aquela senhora do cachorrinho poderia ter levado uma mordida, mas de qualquer forma aquilo se destacou.

Agora, surge a pergunta: o que precisamos fazer para destacar nosso conteúdo e ser espelho?

Precisamos dar atenção para os primeiros elementos de contato entre a pessoa e o nosso conteúdo:

  • Imagem;
  • Título / Chamada;
  • Primeiros segundos / Primeiro paragrafo.

Além disso, para ser espelho, é preciso pesquisar bastante nosso avatar. (Conhecer nosso nicho)

  • Onde mora?
  • Como é sua vida?
  • Sobre o que fala?
  • O que esta acostumado a ver no dia a dia?
  • Quais seus desconfortos internos?
  • Que palavras usa no seu dia a dia?
  • etc…

Se empregamos melhor o que conhecemos sobre a realidade de uma pessoa, maior será nossa chance de nos destacarmos para ela.

Pensando nisso, podemos refletir: Será que em nossos títulos, imagens e no inicio de nossa comunicação, estamos empregando coisas que nós gostamos e fazem parte do nosso vocabulário ou coisas que realmente se relacionam com nosso cliente?

Navegando em conteúdo Psi, noto que este é um ponto nevrálgico… Arriscaria dizer que muitas Psi´s escrevem mais para outras Psi´s do que para clientes.

O que você acha? Você é espelho? Conhece bem seu publico ao ponto de escrever ou gravar usando a linguagem e a realidade dele?

Bóra falar nos comentários…

Abraços

 

 

Comente Aqui:

comments

Cadu Borbolla

“Co-Fundador do Instituto PsicoEducação, Publicitário, Palestrante e Consultor de Marketing e Marketing Digital, atuou como terapeuta por mais de 10 anos com certificação internacional e extensão universitária em hipnose, além de formação em terapia cógnito comportamental. Apaixonado por Psicologia e Desenvolvimento Humano, é graduando em Psicologia.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *